O filme “Bugigangue no Espaço” é o primeiro longa-metragem brasileiro animado em 3D e com a tecnologia D-BOX. Conta a história de Gustavinho, Fefa e os demais integrantes do clube Bugigangue que estão preocupados com os trabalhos da escola, mas nem imaginam que em um ponto distante da galáxia o vilão Gana Golber tomou o poder da Confederação dos Planetas, ameaçando a paz do universo. Expulsos da confederação, sete Invas, alienígenas atrapalhados e ingênuos, conseguem escapar ao cerco de Gana, mas na fuga sua nave é danificada e cai na Terra. Logo os Invas fazem amizade com as crianças do clube, consertam a nave e embarcam juntos numa aventura intergaláctica para restaurar a paz do universo.

O filme tem um roteiro bom, mas para um público sem definição, na qual é muito maduro para crianças e muito infantil para adultos. Talvez o alvo seja o pré-adolescente.

Apesar de diversas referencias a outros filmes, há algumas cenas que não são tão educativas para uma classificação livre. Destaque para o combustível da nave, que considero perigoso ressaltar a exploração da mistura de alguns produtos acessíveis a todas idades.

Os gráficos são de qualidade e os personagens bem pensados, apesar de muitos serem clichês, mas visualmente falando está muito bonito e chamativo.

A trilha sonora é impecável e foi gravada pela Orquestra Sinfônica de Budapeste. Feliz em saber que estão investindo em música de boa qualidade principalmente para o público infantil que é bastante influenciável.

Ainda existe uma longa caminhada para as animações brasileiras chegarem no topo, mas “Bugigangue no Espaço” chegou perto do feito. E aguardem que vai ter sequência.

Nota: 8

Trailer:

 

Conversamos com os dubladores Danilo Gentili e Maísa Silva. Confira:

Fotos da coletiva http://www.sobrefilme.com.br/2017/02/14/coletiva-de-imprensa-do-filme-bugigangue-no-espaco/