Sabe aquele filme que você começa assistir e acredita que já sabe toda a história? Pois bem, esse é “Um Homem de Família”, porém conforme o enredo vai desenvolvendo-se o longa te surpreende a cada minuto.

O filme conta a história de Dane Jensen (Butler), um recrutador de profissionais para vagas de emprego na cidade de Chicago nos Estados Unidos. Sedento por dinheiro, inescrupuloso e distante emocionalmente de sua família. Dane é convocado para uma disputa com sua colega de trabalho Lynn Wilson (Brie) para decidir em três meses quem irá ficar no lugar de seu chefe Ed (Dafoe) quando este se aposentar. Todavia, a situação pessoal do protagonista então se agrava e entra em conflito quando seu filho mais velho Ryan (Jenkins) é diagnosticado com leucemia e deve passar por um intenso e pesado tratamento no hospital.

Dane acredita que o dinheiro pode resolver tudo, colocando a competição profissional acima da sua família. A visão do personagem é um tanto quanto machista: a mulher cuida da casa e dos filhos, e qualquer reclamação a seu respeito é justificada por ele trabalhar demais. Proporcionar uma vida digna, estável e confortável para família é o que basta para a felicidade? Elise, esposa de Dane, é submissa em todos os aspectos, seu papel é quase que de uma figurante e não traz grandes contribuições para o longa.

Com muitas cenas comoventes é provável que seus olhos fiquem marejados durante a história, porém a falta da trilha sonora é um ponto fraco, muitas das cenas melancólicas ficariam mais emocionantes com uma boa seleção escolhida.

No mundo em que vivemos, em que o trabalho muitas vezes está em primeiro lugar, o filme cai como uma luva. Excelente para a reflexão das nossas atitudes e a forma como lidamos com as pessoas que mais amamos.

Nota:9,0

Trailer: