Rio de Janeiro. Ana (Ana Caetano) e Vitória (Vitória Falcão) já haviam até mesmo estudado juntas, mas apenas se aproximam de fato em uma festa realizada muito longe de sua cidade natal, a pequena Araguaína, no Tocantins. Após se apresentar na festa, Ana fica impressionanda com a informal cantoria de Vitória, em uma rodinha de violão. Logo surge a ideia de gravarem algo juntos, que rapidamente explode na internet e chama a atenção do produtor Felipe Simas (Bruce Gomlevsky). A fama repentina as traz de volta ao Rio de Janeiro, para um show transmitido pela internet e a produção de seu primeiro CD.

Ana e Vitória : Foto

Uma mistura de biografia, ficção, musical e romance, o longa conta a história do duo AnaVitória que repentinamente conquistou o público com seu talento, musicalidade e composições.

Com uma pegada moderna, na qual as mídias sociais são destaques para todos os conflitos e conquistas, a produção certamente cairá no gosto dos mais jovens e descolados. E irá arrancar umas boas risadas referentes aos novos “problemas” que a internet traz.

Ana e Vitória : Foto

O que me incomodou de fato, foi a questão da sexualidade extremamente desnecessária no contexto do duo. Visto que as meninas insistem em não falar da vida pessoal, e no filme que dizem ter ficção mostra uma rotatividade de parceiros e orientação sexual. Não cabe julgar a vida de ninguém, porém um longa voltado ao público jovem e com classificação de 12 anos, deveria ter esse cuidado.

Em um formato que ficaria perfeito para se adaptar a uma minissérie, o filme irá agradar fãs e pessoas interessadas em ouvir música de qualidade.

Nota: 7,0

Trailer: